Search Results

 
 

Caetano corrige crase em página no Facebook

0
 

O cantor e compositor Caetano Veloso deu um puxão de orelhas na equipe que cuida de suas redes sociais, por conta do uso indevido de crase  na expressão “homenagem a Bituca” (apelido de Milton Nascimento). O vídeo com a aula já circula na internet, ressaltando o bom uso da Língua Portuguesa.

Vale complementar que, antes de nomes próprios de pessoas, o emprego do artigo confere informalidade, sugere haver intimidade. Sua ausência, ao contrário, garante o tratamento formal, mais distante. Assim: “As homenagens foram prestadas a Caetano Veloso” (tratamento distanciado, formal), “As homenagens foram prestadas ao Caetano” (tratamento informal). Não esquecendo que se trata de nome MASCULINO, o que por si só já dispensaria a crase.

Mas diante de nome de mulher  poderá ocorrer a crase. Assim: “Referia-se a Marta Suplicy” (tratamento formal), “Referia-se à Marta” (tratamento informal).

Veja outras dicas de crase no blog O Redator.

leia mais
 
 
0

Sujeito a guincho

Cartaz na avenida Pacaembu, na zona oeste de São Paulo, informa que o estacionamento em determinada loja é exclusivo aos clientes. Quem desrespeitar a norma estará “sujeito à guincho”. Não é apenas o estabelecimento comercial na citada via paulistana que recorre à ameaça para educar os motoristas. Também não é o único a utilizar a expressão com o mesmo erro, o acento indicativo de crase. Pois na famosa frase “sujeito a guincho” não há crase, simplesmente porque “guincho” é uma palavra masculina.
Agora observe este outro exemplo: “sujeito a multa”. Embora haja uma palavra feminina, não se utiliza a crase porque não há um complemento determinando o valor da multa e que exija o artigo “a”. Mas se houver referência a alguma especificação, então o artigo estará presente. Exemplo: “O infrator está sujeito à multa de 150 reais”. Portanto, nos dois exemplos, quando multa e guincho são punições genéricas (sem estipular valor ou característica do equipamento) dispensa-se a crase. Reforçando, mais uma vez, que guincho é uma palavra masculina.

 
0

A bordo ou à bordo?

Um colega me pergunta: “a bordo tem crase”? A resposta é não. “A bordo” é uma locução prepositiva, cujo núcleo é uma palavra masculina (bordo). E nesse tipo de locução de base masculina não há crase. É o caso de expressões como “a pedido de”, “a convite de”. Já nas locuções de base feminina existe a crase. São exemplos: “à vontade”, “à beira de”, “à espera de”, “à margem de”, “à luz de”, “às voltas com”.